Fale conosco pelo WhatsApp

Rinoplastia pode corrigir um nariz torto?

13 ago, 2020

Por que ter um nariz torto é uma característica tão comum? O que torna difícil endireitar um nariz desviado? A rinoplastia é capaz de corrigir um nariz torto? Essa correção é permanente? Essas são apenas algumas das dúvidas relacionadas ao tema.

Uma das coisas mais difíceis de se corrigir durante uma rinoplastia é retificar um nariz torto. Mas por que isso é tão complicado? Vários fatores tornam esse procedimento muito desafiador.

O primeiro deles se deve ao fato de que a pele, as cartilagens e os ossos desviados ou tortos têm certo nível de memória, de modo que o nariz tende (não obrigatoriamente) a voltar para sua posição pré-operatória. Outro fator é que, especialmente em um nariz torto devido a um defeito congênito, o desvio nasal pode ocorrer em um cenário de total assimetria facial. Isso significa que pode ser muito difícil encontrar um plano médico para tentar colocar a nova posição nasal.

Apesar dessas ponderações, a resposta é: sim, a rinoplastia pode corrigir um nariz torto desde que sejam utilizadas as técnicas corretas, identificando as estruturas envolvidas no desvio para que seja possível retificar o nariz.

Quais as causas do nariz torto?

Existem diferentes fatores que resultam em um nariz esteticamente torto e desalinhado em relação às demais estruturas faciais. O motivo dessa aparência determina como será conduzida a retificação do nariz.

Dessa forma, é relevante que no pré-operatório o paciente seja honesto com o especialista quanto às causas do problema, viabilizando a definição da conduta mais apropriada ao caso. Entenda a seguir algumas das causas comuns do nariz torto:

Nariz torto congênito

O problema é congênito quando a estética do nariz é resultado da tendência natural da pessoa. Em geral, as estruturas nasais estão em desenvolvimento até os 15 anos, em média, de forma que é após essa idade que se torna possível identificar as características definitivas do nariz.

Com isso, mais alguns anos podem ser necessários para que se identifique que o nariz é de fato torto, principalmente quando a inclinação não é acentuada. No entanto, é nesses casos que a memória das estruturas nasais é mais significativa, consistindo em um fator a ser considerado na avaliação da técnica cirúrgica.

Traumas

Apesar de existirem assimetrias congênitas, os ossos nasais são comumente deslocados quando ocorre um trauma. Se esse deslocamento não for tratado no momento que ocorreu a fratura nasal inicial, os ossos irão cicatrizar em uma posição incorreta ou torta.

Se isto acontecer, é necessário realizar novas fraturas nos ossos para posicioná-los corretamente. Essas osteotomias (fraturas) são feitas com instrumentos específicos que permitem a mobilização dos ossos nasais para a posição desejada, sendo essencial que a técnica seja conduzida por um cirurgião plástico especializado.

Hábitos

Além das assimetrias faciais congênitas e os traumas, algumas doenças e o uso de substâncias tóxicas, por via nasal, podem causar um enfraquecimento da estrutura do nariz, causando colabamentos e deformidades nasais graves.

Nesses casos, é fundamental que a patologia esteja controlada ou que o paciente não seja mais usuário da substância para poder fazer a cirurgia plástica. Além disso, é importante relatar ao cirurgião o fator que desencadeou o problema.

O que está envolvido no processo de retificar um nariz torto?

Para que haja a retificação do nariz torto, o especialista em rinoplastia vai ponderar sobre a estética do nariz e de toda a estrutura facial, pois para criar um nariz perfeitamente reto e em simetria com o resto da face, toda a estrutura deve estar posicionada na linha média.

É frequente que o nariz torto esteja associado a um desvio de septo mais significativo, de forma que a rinoplastia seja unida à septoplastia com o objetivo de promover mudanças estéticas e funcionais.

Assim, quando o nariz torto é resultado de um septo muito desviado, tanto as estruturas internas quanto externas devem ser totalmente corrigidas, o que vai garantir uma estética mais agradável e harmônica, além de melhorar a capacidade respiratória do paciente. Se o septo caudal estiver fora do centro, toda a ponta pode ficar deslocada, comprometendo a via aérea.

Uma vez que o septo foi centrado, qualquer desvio dos ossos nasais também precisa ser reparado, de forma que se trata de uma alteração complexa envolvendo diferentes estruturas do nariz.

Devido a essas especificidades do caso de um nariz torto, o procedimento pode incluir o reposicionamento do septo, das cartilagens nasais e dos ossos. Não é incomum que haja uma extração do excesso de cartilagem quando ela limita a possibilidade do cirurgião de reposicionar simetricamente as estruturas nasais.

Como visto, também pode ser necessária a realização de fraturas no osso nasal para que ele seja reposicionado no nível médio da face. Apesar de essa técnica ser mais invasiva, fazendo com que o pós-operatório apresente maior inchaço e roxidão na face, o resultado estético é mais natural e satisfatório.

Existe diferença entre a rinoplastia para corrigir nariz torto e as demais?

Uma dúvida frequente dos pacientes é se a rinoplastia com objetivo de corrigir um nariz torto tem particularidades em relação às demais. Em geral, etapas como o pré e o pós-operatório não mudam significativamente. No entanto, por ter relação com a estética, é mais relevante que o cirurgião plástico investigue a existência de problemas na estrutura nasal relacionados ao desvio de septo e a hipertrofia dos cornetos.

Os exames pré-operatórios também são os mesmos, verificando se o paciente está em condições físicas de ser submetido à intervenção cirúrgica. No pós-operatório o inchaço pode ser maior, caso a técnica seja mais invasiva, como com a fratura do osso nasal, mas outras correções estéticas no nariz também demandam essa conduta.

Quando o objetivo é corrigir o nariz torto, devido à complexidade da questão, é comum que o cirurgião plástico opte pela exorrinoplastia — rinoplastia aberta —, pois a visibilidade das estruturas é mais determinante nas possibilidades de correção do problema.

A principal recomendação, independentemente de o objetivo ser corrigir um nariz torto ou outros problemas estéticos e funcionais no nariz, é que o paciente busque um cirurgião plástico de confiança e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Fontes:

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica;

Clínica de Cirurgia Plástica Dr. Paolo Rubez.

Sobre o autor
Formado na Escola Paulista de Medicina / Unifesp, é especialista em cirurgia plástica e cirurgia da enxaqueca. Além disso, passou por sete estágios em Cleveland, nos EUA, na University Hospitals, para se aprimorar em Rinoplastia.