Fale conosco pelo WhatsApp

Rinoplastia

Rinoplastia Primária

A Rinoplastia permite ao cirurgião “moldar “ o nariz para obtenção da forma final desejada. Porém, é claro, que é dependente do formato inicial do nariz e suas características próprias, que variam de paciente para paciente. Portanto, a comparação do nariz de um paciente com o de outra pessoa, quer por fotografias ou pessoalmente, não é possível, devido à diversos detalhes da constituição de cada um.
A cirurgia de nariz é dividida em dois tipos de abordagem, a rinoplastia aberta ou exorrinoplastia, e a fechada ou endorrinoplastia. A diferença entre as duas técnicas é basicamente com relação às incisões na pele e mucosa nasal para expor as estruturas do nariz. A técnica fechada, hoje pouco realizada pelos especialistas em Rinoplastia, apresenta incisões apenas na mucosa nasal , enquanto que na técnica aberta também incisa-se a pele da columela (entre as narinas). Estas incisões tornam-se totalmente imperceptíveis, se suturadas com técnica adequada.

Dr. Paolo Rubez tem preferencia pela técnica aberta, realizando quase a totalidade das suas cirurgias desta maneira, pois permite a exposição completa das estruturas do nariz e o trabalho adequado para o resultado desejado. A técnica fechada se reserva para casos de pequenas alterações nasais , sem grandes necessidades de modificação de sua estrutura.

A alteração da forma e a melhora da função do nariz são alcançadas muitas vezes através da utilização de “enxertos” de cartilagem . A primeira escolha para esta cartilagem é a do próprio septo nasal. Quando o paciente já realizou cirurgias prévias no nariz esta cartilagem pode não estar mais disponível ou em quantidade adequada, sendo necessário então utilizar cartilagens de outros locais, como a orelha ou a costela. Estas alternativas, bem como as características dos “enxertos” serão extensamente discutidas com Dr. Paolo durante a consulta pré-operatória.

Anestesia geral é a mais adequada. Apesar das preocupações e receios dos pacientes a cerca deste tipo de anestesia, trata-se da mais segura. A anestesia geral permite um controle total sobre a respiração e monitorização do paciente durante todo o procedimento, sendo a preferida pelos anestesistas.

Após uma Rinoplastia, o paciente apresenta inchaço nasal e na face ao seu redor, áreas de rouxidão, e eventual dificuldade para respirar pelo nariz. Estas alterações variam muito de paciente para paciente, e da tolerância de cada um. Trata-se de um pós-operatório de pouca dor.

O paciente pode voltar ao trabalho após cerca de dez dias. As atividades mais pesadas podem ser retomadas decorridas quatro semanas. O paciente deve evitar qualquer atividade que possa ter impacto sobre o nariz, ou exposição excessiva ao sol. O uso de um protetor solar que proporcione proteção contra UVA e UVB pode ser útil. Os resultados finais são atingidos após pelo menos um ano do procedimento, quando o inchaço já cedeu por completo e as forças cicatriciais agiram.

Porque é mais demorado?

O nariz é a parte do corpo que mais tempo leva para assumir o aspecto final depois dos procedimentos de cirurgia plástica. Isto ocorre devido ao longo período necessário para o restabelecimento das vias de drenagem linfática, que são responsáveis pela resolução do inchaço.

Rinoplastia Secundária


A Rinoplastia Secundária corresponde à cirurgia realizada no nariz que já foi operado uma vez, tanto por motivo estético quanto funcional. Está indicada para os pacientes que ainda apresentam queixas da aparência ou função do nariz. As queixas podem surgir após uma rinoplastia prévia, ou ser ainda anterior à primeira cirurgia.

A exemplo da Rinoplastia Primária, a anestesia geral é a mais indicada. Casos de pequenas correções podem ser realizados com anestesia local e sedação.

A recuperação pós-operatória é semelhante à da Rinoplastia Primária. Neste caso também podem haver cicatrizes finais na orelha ou no tórax, se utilizadas cartilagens destes locais, mas que tornam-se imperceptíveis com o tempo.