Fale conosco pelo WhatsApp

Enxaqueca: O que é, Causas, Tipos, Sintomas e Tratamentos

Mulher com as mãos na cabeça, sentindo enxaqueca.
14 jun, 2021

A enxaqueca é uma doença crônica que abrange vários sintomas, como, por exemplo, a dor de cabeça intensa e pulsante. É mais frequente no público feminino.

Doença crônica muito temida e considerada uma das mais incômodas que existem, a enxaqueca ou migrânea é um tipo de cefaleia primária que afeta cerca de 15% da população brasileira. O problema é mais frequente em mulheres do que homens, principalmente se a paciente apresenta histórico familiar da doença.

Veja nesse artigo tudo que você precisa saber sobre!

Quais são as causas?

Conhecida por um de seus sintomas mais comuns relatados pelos pacientes — uma dor de cabeça insuportável —, a enxaqueca abrange muitos sintomas que podem ser bastante incômodos e até mesmo incapacitantes. Existem diversas causas que levam à manifestação do problema, assim como muitas outras que contribuem para que a doença se desencadeie.

A enxaqueca acontece a partir de um desequilíbrio químico no cérebro que envolve substâncias chamadas neurotransmissores. Isso pode ocorrer principalmente por causa do estilo de vida e hábitos do paciente, que incluem:

  • Estresse e ansiedade: a rotina corrida de algumas pessoas não permite que sobre tempo para relaxamento ou distrações, elevando o nível de estresse ao ponto em que o indivíduo pode passar a ter crises. Além disso, mudanças de humor e irritação também fazem parte das causas da doença;
  • Ficar longos períodos sem se alimentar: longos períodos sem se alimentar de forma adequada podem abaixar os níveis de açúcar do sangue, facilitando que o surgimento dos primeiros sintomas da enxaqueca. Existem alguns alimentos que podem ser prejudiciais a você, caso esteja com a doença, dentre eles estão: pimenta, café, energéticos, bebidas alcoólicas, alimentos processados e alimentos com alta concentração de sódio;
  • Má qualidade no sono: alguns pesquisadores da enxaqueca, dizem que o problema pode estar relacionado ao bruxismo ou apneia do sono;
  • Alterações hormonais: principalmente nas mulheres, ocorre a queda de estrogênio no início da menstruação ou na menopausa, especialistas afirmam que essa queda hormonal é um dos fatores que podem desencadear a enxaqueca.

Além disso, o uso de anticoncepcionais também pode ser considerado fator de desencadeamento da cefaleia.

Tipos de enxaqueca

 

Enxaqueca com aura

 

Pode ser considerada uma fase da enxaqueca, ou um aviso de que a dor está por vir. Este tipo de enxaqueca apresenta alterações sensoriais e visuais, como sensação de tontura, pontos pretos na visão, pontos luminosos, incapacidade de falar com clareza e formigamento em alguma região do corpo. A crise pode durar em torno de 10 a 30 minutos.

Enxaqueca sem aura

Esse é o tipo mais comum de enxaqueca e engloba sintomas como: náuseas, vômitos, dor latejante na cabeça, fotofobia e fonofobia. É caracterizada pela ausência da aura antes do aparecimento da dor.

Enxaqueca com ausência de dor de cabeça

É caracterizada pela ausência da dor de cabeça, age de forma silenciosa, porém apresenta outros sintomas como aura, distúrbios visuais e náuseas.

Enxaqueca hemiplégica

Provoca sensação de fraqueza, perda de sensibilidade e dores semelhantes a alfinetadas no corpo, a enxaqueca hemiplégica pode ser confundida com um derrame cerebral. Nem sempre há presença da dor de cabeça, porém se aparecer é possível que dure dias.

Enxaqueca retiniana

Causa perda de visão temporária em um dos olhos, sendo mais frequente em mulheres que estão passando por seu período fértil. É recomendado buscar por um especialista imediatamente, evitando complicações muito graves.

 

Quais são os sintomas?

 

O diagnóstico da enxaqueca pode ser feito por um médico neurocirurgião ou clínico geral. O especialista irá avaliar os sintomas relatados pelo paciente e, se necessário, poderá solicitar alguns exames para confirmação do quadro.

Veja a seguir alguns dos sintomas mais comuns:

  • Dificuldade de concentração;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça intensa e persistente;
  • Alterações no sono;
  • Sensibilidade a cheiros específicos;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Visão ofuscada ou com manchas de luz no campo da visão;
  • Dor de cabeça intensa ao realizar atividades do dia a dia;
  • Alterações visuais.

Possíveis tratamentos

 

Não existe uma cura absoluta para enxaqueca. Portanto, os objetivos dos tratamentos são voltados principalmente ao alívio da dor de cabeça intensa e redução da frequência e gravidades das crises. O paciente também poderá receber orientação para que consiga gerenciar as crises e viver com qualidade.

Algumas abordagens de tratamento para enxaqueca:

  • Técnicas de relaxamento: algumas técnicas como meditação e ioga ajudam a aliviar o estresse do dia a dia e podem ser utilizadas como prevenção das crises de enxaqueca;
  • Alimentação saudável: uma dieta adequada pode evitar que os alimentos possam agravar as crises de enxaqueca, além de favorecer o consumo de itens que podem ajudar a amenizar e prevenir as crises da cefaleia. É o caso de castanha e gengibre, por exemplo;
  • Acupuntura: esta é uma técnica da medicina chinesa que utiliza agulhas finas para estimular e desbloquear alguns pontos energéticos específicos do corpo. Essa prática pode fazer com que os sintomas da enxaqueca diminuam;
  • Cirurgia para enxaqueca: trata-se de um procedimento cujo objetivo é descomprimir e liberar os ramos do nervo trigêmeos e occipital envolvidos no ponto de dor.

Caso esteja sofrendo com fortes dores de cabeça, procure por um especialista capacitado para analisar o seu caso. Para mais dúvidas sobre a cirurgia de enxaqueca, entre em contato com o Dr. Paolo Rubez!

Fontes:

Instituto Rubez de Cirurgia Plástica;

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP);

 

 

 

 

Sobre o autor
Formado na Escola Paulista de Medicina / Unifesp, é especialista em cirurgia plástica e cirurgia da enxaqueca. Além disso, passou por sete estágios em Cleveland, nos EUA, na University Hospitals, para se aprimorar em Rinoplastia.