Fale conosco pelo WhatsApp

Dor de cabeça constante? Conheça os tratamentos

Home com as mãos na cabeça com dor de cabeça constante
20 ago, 2021

Dor de cabeça constante não deve ser normalizada, e procurar um médico para avaliar os sintomas é uma etapa fundamental para definição do tratamento mais adequado

A dor de cabeça constante pode ser um indicativo de um quadro de Migranea, também chamada de enxaqueca. Apesar de muitas pessoas normalizarem essa condição, trata-se de uma das doenças mais incapacitantes de acordo com a classificação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Estima-se que 15% dos brasileiros sentem dor de cabeça constante, quadro que é mais recorrente entre as mulheres, acometendo 20% delas, enquanto afeta cerca de 5 a 10% da população masculina.

O que é a dor de cabeça constante?

A dor de cabeça constante, chamada de cefaleia crônica diária, acomete entre 3 e 5% da população adulta mundial, podendo gerar prejuízos à qualidade de vida, saúde, sociabilidade e até no âmbito financeiro dos pacientes.

A cefaleia tem duas categorizações de acordo com os sintomas, frequência e, especialmente, causas da condição. São elas:

  • Cefaleia primária: recebem essa classificação os quadros de dor de cabeça que não estão associados a outros problemas de saúde. Nesses casos, costumam se manifestar a cefaleia tensional ou a enxaqueca, que apresentam alterações químicas no organismo;
  • Cefaleia secundária: ocorre quando a dor de cabeça está relacionada com alguma causa, como em quadros de sinusites, distúrbios de articulação temporomandibular (ATM), traumas, tumores ou aneurismas cerebrais, meningites, hidrocefalias, miopia, AVCs e outras.

A cefaleia não deve ser normalizada, podendo estar relacionada com quadros graves e que demandam assistência médica urgente.

No caso da cefaleia primária, ela pode evoluir para uma cefaleia crônica diária que é diagnosticada quando ocorrem quadros de dor de cabeça por, pelo menos, 15 dias, em um intervalo de três meses.

A cefaleia primária pode ser resultado de alterações na atividade química cerebral, contração dos ramos do nervo trigêmeo ou tensão dos músculos da cabeça e pescoço. Também é possível que haja uma junção desses fatores. Nesses casos, os sintomas da dor de cabeça constante incluem:

  • Dor de cabeça como se houvesse uma faixa apertando o crânio;
  • Náuseas e vômitos;
  • Sensibilidade a luz e aos sons;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Tensão muscular no pescoço e ombros.

Caso esses sintomas sejam identificados, recomenda-se buscar auxílio de um neurologista para diagnóstico da condição e definição do tratamento mais apropriado.

Quais os tratamentos para dor de cabeça constante?

Descartada a cefaleia secundária, o especialista vai analisar quais são as causas ou fatores associados aos quadros de dor de cabeça constante.

Nesse sentido, é fundamental que o paciente saiba informar a região na qual a dor tem início, qual a duração e frequência das crises e detalhes da rotina que podem contribuir para a identificação das causas.

Mudança de hábitos

O início do tratamento da cefaleia primária pode ser direcionado a aspectos comportamentais do indivíduo. As crises podem estar relacionadas, por exemplo, a:

  • Consumo demasiado de cafeína, doces, chocolate e gorduras;
  • Consumo exagerado de bebidas alcoólicas;
  • Tabaco;
  • Excesso de exercícios físicos;
  • Rotina estressante;
  • Uso contínuo de algum medicamento.

Evitar esses hábitos é uma primeira recomendação na tentativa de conter a intensidade e frequência das crises de cefaleia.

Tratamento medicamentoso

Em conjunto com a revisão dos hábitos, o especialista pode prescrever medicamentos para prevenir a ocorrência das crises ou amenizá-las caso elas surjam.

Um aspecto muito importante é que a automedicação pode piorar ainda mais a frequência e intensidade das crises, com o organismo adquirindo resistência a determinadas medicações.

Dessa forma, em caso de dor de cabeça constante não é recomendado o uso de medicamentos, a menos que prescrito por um médico que conhece e acompanha o caso.

Cirurgia de enxaqueca

A cirurgia de enxaqueca é a única alternativa definitiva para tratamento da cefaleia, sendo recomendada para pacientes que:

  • Têm duas ou mais crises intensas de cefaleia por mês sem efetividade no uso das medicações prescritas;
  • Apresentam intolerância ou sensibilidade aos efeitos colaterais das medicações para dor de cabeça;
  • Sofrem com comprometimento da qualidade de vida em decorrência das dores.

É importante que a cirurgia de enxaqueca seja indicada por um médico especialista após avaliar as particularidades do caso. Saiba mais sobre essa opção de tratamento aqui!

Fontes:

Revista ABM Saúde;

Sociedade Brasileira de Cefaleia.

 

 

 

Sobre o autor
Formado na Escola Paulista de Medicina / Unifesp, é especialista em cirurgia plástica e cirurgia da enxaqueca. Além disso, passou por sete estágios em Cleveland, nos EUA, na University Hospitals, para se aprimorar em Rinoplastia.