(11) 5093-3921 (11) 96445-1045 Contato@drpaolorubez.com.br
Fale conosco pelo WhatsApp

Descubra o que causa a ptose palpebral

Revisado por: Dr. Paolo Rubez CRM/SP: 124773 - 27 de março de 2019

Descubra o que causa a ptose palpebral

Você sabe o que significa ptose palpebral? Esse é termo usado para pálpebras superiores caídas e que interferem diretamente no campo de visão. Se você sofre de tal condição, entenda o que causa a ptose palpebral.

Apesar de ser um sinal comum da passagem do tempo, não é apenas o envelhecimento que causa a ptose palpebral. A queda das pálpebras superiores pode ter origem tanto congênita quanto adquirida ao longo da vida e, além do comprometimento estético, pode atrapalhar o campo de visão do paciente.

Sintomas da ptose palpebral

Além de entender o que causa a ptose palpebral, é importante descobrir quais os sintomas que caracterizam o problema. É a intensidade da queda (leve, moderada ou severa) da pálpebra superior que será responsável pelos sintomas que o paciente possa vir a ter, sendo que os mais comuns são:

  • Sensação de peso sobre os olhos;
  • Dificuldade visual devido a diminuição do campo de visão;
  • Aspecto de olhos cansados ou preguiçosos;
  • Posição anômala de cabeça.

É comum que pacientes com ptose palpebral forcem a testa para subir a pálpebra e, assim, conseguir enxergar sem problemas. Esse esforço causa rugas na região e pode gerar dores de cabeça e sensação de cansaço. A causa da ptose palpebral está dividida em congênita e adquirida.

Saiba mais sobre as principais causas da ptose palpebral

Causa da ptose palpebral: origem congênita

No caso de ptose palpebral congênita, o paciente já nasce com essa condição, que pode ser causada por malformações no músculo responsável por elevar a pálpebra e até por paralisia congênita do nervo.

Ainda durante a infância é possível perceber os primeiros sintomas da ptose congênita. O sinal mais óbvio é a assimetria entre as pálpebras dos dois olhos. Um outro sintoma que a criança costuma ter é inclinar a cabeça para trás com frequência, como uma maneira de melhorar seu campo de visão.

Se a ptose palpebral congênita for do tipo mais severo, ela pode desencadear uma ambliopia, também conhecida como olho preguiçoso. Quem nasce com essa condição pode desenvolver cegueira unilateral irreversível, pois o cérebro suprime informações do olho que enxerga mal para priorizar o olho saudável.

Além de uma possível cegueira, a ptose palpebral congênita pode ser muito perigosa para uma criança. Forçar demais a cabeça para trás durante as etapas iniciais de crescimento pode ser um fator de risco para o desenvolvimento infantil e pode causar problemas no pescoço.

Quando a causa da ptose palpebral é congênita, o ideal é que a criança passe por um procedimento cirúrgico antes mesmo da idade escolar. A correção precoce evita que a ptose palpebral evolua para formas mais graves e auxilia na preservação da saúde ocular do indivíduo.

Causa da ptose palpebral: origem adquirida

O envelhecimento é uma das principais causas da ptose palpebral. Após os 60 anos, é muito comum que as pálpebras superiores fiquem mais flácidas, dando a sensação de que a pele caiu. A ptose involucional, como é chamada nesses casos, é um processo normal do envelhecimento e, apesar de trazer prejuízos estéticos, não significa danos à saúde, desde que seja leve.

Entre as causas da ptose palpebral também estão os traumas e lesões no músculo que levanta as pálpebras. Os traumas podem ser decorrentes de complicações no pós-operatório de cirurgias de pálpebras, cataratas ou outras cirurgias oculares.

Outra causa da ptose palpebral é por decorrência de doenças neurológicas que afetam os músculos ou nervos da pálpebra, como a miastenia gravis, doença neuromuscular que causa fraqueza e fadiga anormal dos músculos voluntários.

Outras doenças comuns, como diabetes e hipertensão arterial, também podem paralisar os nervos oculares e ser a causa da ptose palpebral.

Causa da ptose palpebral: existe tratamento?

Os tratamentos para tal condição dependem da causa da ptose palpebral. Pode ser feito por procedimentos cirúrgicos ou tratamentos alternativos, dependendo da gravidade.

Como é a cirurgia de ptose palpebral?

Estão disponíveis atualmente diversas técnicas para a correção cirúrgica da ptose, de acordo com as causas da ptose palpebral. Para que o cirurgião identifique a mais adequada, é preciso avaliar a posição da pálpebra ao se olhar para baixo, a posição da prega palpebral e outros sinais associados.

Durante a cirurgia, é possível encurtar os músculos que elevam a pálpebra ou realizar uma pequena dobra no músculo levantador, removendo o excesso de pele com a blefaroplastia. Em casos mais graves, nos quais o músculo está muito enfraquecido, a pálpebra pode ser suspensa até a sobrancelha, para que os músculos da testa elevem a região.

O pós-operatório da correção cirúrgica é simples, independente da causa da ptose palpebral. A recuperação demora cerca de 2 a 3 semanas e é fundamental para o sucesso da cirurgia que o paciente siga à risca todas as recomendações médicas.

Fontes:
Ptose Palpebral
Sociedade Brasileira de Oftalmologia