Como funciona o pré-operatório da Rinoplastia

Como funciona o pré-operatório da Rinoplastia

Após muito pensar e analisar os prós e os contras de uma rinoplastia, ou seja, uma cirurgia plástica no nariz, ficou decidido que se submeterá ao procedimento cirúrgico? Saiba que antes de entrar na sala de cirurgia e ter o nariz desejado, são necessários diversos cuidados. O primeiro e mais importante, é a consulta com um cirurgião plástico renomado, que indicará a melhor técnica e trará melhor harmonia para face. Na consulta com o cirurgião plástico que fará a rinoplastia, é de extrema importância que seja relatada qualquer doença pré-existente e medicações em uso. Seja uma rinite alérgica ou uma doença cardíaca, nada deve ser deixado de mencionar ao cirurgião, para que ele possa avaliar os riscos do procedimento cirúrgico. Mesmo o uso de vitaminas e suplementos devem ser mencionados. Após o primeiro sinal verde para a realização da cirurgia plástica, que é a avaliação prévia em consultório, uma lista de exames clínicos será solicitada, sendo necessários para que o paciente esteja apto para a cirurgia.  Os exames que devem ser apresentados antes de agendar a cirurgia são: Exames de sangue: hemograma completo para a conferência de possíveis anemias, infecções entre outros fatores impeditivos; Eletrocardiograma (ECG): para avaliação cardiológica. Assim o cirurgião pode identificar fatores de risco e evitar riscos no centro cirúrgico; Coagulograma: Esse exame medirá o tempo de coagulação do paciente, como os seguintes fatores — Tempo de Sangramento (TS), Tempo de Coagulação (TC), Retração do coágulo, Tempo de Ativação da Protrombina (TAP), Tempo de Ativação Parcial da Tromboplastina (KPTT ou TTPA) e o número de Plaquetas; Análise para medição de: ureia, sódio, creatinina e do potássio.Exame...
Como funciona a prevenção de fibrose após a Rinoplastia

Como funciona a prevenção de fibrose após a Rinoplastia

Muitas são as dúvidas de quem pretende passar por uma cirurgia plástica, em especial quando se trata de uma rinoplastia. No consultório, muitos pacientes questionam sobre o procedimento em si, do pós-operatório, das cicatrizes do procedimento e claro, do resultado final. Assim como o sucesso da cirurgia depende do cirurgião, o resultado dependerá e muito do paciente, sendo necessária uma atenção especial à fibrose. Como qualquer cirurgia plástica, a rinoplastia é um procedimento invasivo e de lenta recuperação. Isso deve-se ao fato de como o organismo cicatrizará as lesões feitas no procedimento e é justamente nessa hora que é preciso se preocupar com a fibrose. Afinal, o que é fibrose? A fibrose é o processo de cicatrização interna de uma lesão. É caracterizada pelo aumento das fibras de um tecido que está em processo cicatricial. Quando apresenta um desenvolvimento desordenado, faz surgiu uma cicatriz que esteticamente, não é agradável. As causas possíveis do surgimento da fibrose são: O edema foi muito excessivo, que agravou o processo de cicatrização; Técnica inadequada; Descuido do paciente, que não seguiu à risca os cuidados com o pós-operatório. Quais os procedimentos com maior incidência de fibrose? Cirurgias plásticas de maior proporção, como a lipoaspiração e a abdominoplastia, podem resultar em fibrose com maior frequência, ao se comparar com a rinoplastia, por exemplo. Mas, como já mencionado, o pós-cirúrgico é crucial para minimizar o trauma causado pelo procedimento. A cirurgia plástica no nariz também envolve o processo de cicatrização e não está imune à fibrose. Seu local de maior incidência é a ponta do nariz, sendo que a explicação para esse fato é: a pele...
Principais causas e sintomas do desvio de septo

Principais causas e sintomas do desvio de septo

O desvio de septo é uma condição na qual a cartilagem, osso e mucosa que dividem as partes do nariz não se encontram centralizadas, pendendo para o lado esquerdo ou direito, dependendo do caso. Conhecer quais as causas e, principalmente, os sintomas do desvio de septo é fundamental para iniciar o tratamento adequado. Inicialmente é preciso destacar que quase 80% das pessoas têm algum nível de desvio de septo, sendo que muitas vezes a condição não está relacionada com uma dificuldade maior para respirar. Assim, apenas casos mais graves exigem um tratamento específico para a condição. Veja a seguir quais as causas e sintomas. Quais as causas do desvio de septo? O desvio de septo pode ser causado por diferentes situações a que a pessoa é exposta ao longo da vida, portanto, ele pode surgir em diferentes momentos e com intensidades distintas. A condição também pode ser causada por predisposição genética, ou seja, quando algum membro da família também possui o desvio. Também é possível que a pessoa já nasça com a condição acarretada pelo desenvolvimento embrionário. Outras situações que estão relacionadas com o aparecimento do desvio de septo são traumas que podem ser sofridos na face, principalmente se eles ocorrem na infância que é quando o desenvolvimento nasal ainda está ocorrendo. Entre esses traumas destacam-se: quedas; batidas durante a prática esportiva; acidentes de automóveis; choque; trauma por objetos, etc. Caso alguma dessas situações anteceda o surgimento de sintomas do desvio de septo pode-se procurar por um cirurgião plástico para verificar se houve o surgimento ou agravamento do quadro devido um dos traumas associados. Para tal, entretanto, é preciso...
O que é a hipertrofia de cornetos?

O que é a hipertrofia de cornetos?

O corpo humano funciona como uma máquina e, qualquer irregularidade, por mais simples que pareça, pode prejudicar um funcionamento apropriado, causando desconfortos e, inclusive, dores. A hipertrofia de cornetos, por exemplo, é uma condição pouco falada, mas que pode causar diversos prejuízos aos pacientes acometidos por esse problema. Inicialmente é necessário entender qual a função dos cornetos, também chamados de conchas nasais ou, popularmente, “carne esponjosa”. A estrutura nasal é composta por três cornetos de cada lado, o superior, médio e inferior. Essas estruturas formadas por mucosa, tecido esponjoso e osso são responsáveis por umidificar e aquecer o ar inspirado pelas narinas para que ele chegue quente e úmido aos pulmões. Quando funcionam adequadamente essas barreiras não apresentam nenhum prejuízo para a respiração, pelo contrário, proporcionam uma respiração mais adequada. A hipertrofia dos cornetos ocorre quando essas estruturas apresentam um tamanho aumentado e incompatível com um bom funcionamento nasal. Nesses casos, o tamanho do corneto inferior costuma ser o que mais afeta a respiração do paciente, que pode sentir a função respiratória obstruída. A hipertrofia de cornetos também pode estar relacionada a outras ocorrências funcionais da estrutura nasal, como desvio de septo, rinite alérgica e outras condições que podem agravar o quadro e deixar a respiração ainda mais dificultada. Qual o tratamento para hipertrofia de cornetos? O primeiro passo quando identificada uma obstrução nasal persistente é procurar um médico que possa diagnosticar o problema e indicar se o paciente sofre de hipertrofia de cornetos, de fato. Essa etapa é essencial para que se indique o tratamento adequado, que pode ser cirúrgico ou não. Conheça algumas opções de tratamento para...
Inchaço após uma cirurgia de rinoplastia

Inchaço após uma cirurgia de rinoplastia

A rinoplastia é a cirurgia plástica realizada para correções estéticas e funcionais no nariz, portanto, pessoas insatisfeitas com o formato do nariz podem se beneficiar desse procedimento. Muitas se preocupam, no entanto, com o inchaço após a rinoplastia. Apesar de não poder ser evitado, o edema pode ser minimizado com os cuidados corretos. Cirurgias de rinoplastia nas quais são realizadas fraturas no osso nasal provocam um trauma maior, o que resulta em mais inchaço pós-cirúrgico. Ainda assim, cuidar corretamente da saúde e seguir as indicações médicas são importantes aliados para minimizar os desconfortos da recuperação. O inchaço após a rinoplastia pode causar mais restrições alimentares e dificuldades para respirar no pós-operatório imediato, no entanto, ele tende a melhorar após as primeiras semanas. Por quanto tempo o inchaço após rinoplastia persistirá? Devido às diferenças entre as cirurgias, é importante que o paciente que deseja submeter-se ao método saiba que o inchaço após a rinoplastia poderá demorar mais para melhorar em algumas situações, como quando ocorre a fratura do osso nasal. Normalmente, a recuperação do edema melhora nos seguintes prazos: inchaço mais intenso mantém-se por cerca de 30 dias; o edema moderado continua do 2º ao 3º mês; o inchaço residual pode permanecer do 4º ao 6º mês após a cirurgia. Respeitar as indicações médicas para o pré e pós-operatório é importante para que as chances de complicação e piora do edema sejam menores. Assim, o paciente também pode seguir algumas instruções que possibilitem um inchaço mais ameno e que cause menos desconfortos. No entanto, é relevante destacar que o edema é normal após uma cirurgia plástica, não sendo possível evitá-lo...
Tipos de incisões realizadas na rinoplastia

Tipos de incisões realizadas na rinoplastia

A rinoplastia, também chamada de cirurgia plástica do nariz, está entre os procedimentos estéticos mais realizados pelos brasileiros, atrás apenas da lipoaspiração e da mamoplastia. Antes de se submeter a essa cirurgia é importante que os pacientes conheçam as incisões da rinoplastia, que podem ser de diferentes tamanhos e locais. A incisão é o corte realizado pelo cirurgião plástico para ter acesso à estrutura nasal do paciente. Ela será influenciada por diferentes aspectos, como se a rinoplastia é aberta ou fechada, quais alterações estéticas pretende-se alcançar, como é a anatomia do nariz, se serão realizadas intervenções funcionais juntamente com as estéticas etc. Dessa forma, independentemente de conhecer as incisões da rinoplastia o paciente deve conversar com o cirurgião plástico antes de agendar o procedimento e perguntar qual será realizada no caso dele. Assim é possível realizar uma estimativa de onde e como estará a cicatriz resultante do procedimento. Quais as principais incisões da rinoplastia? Dada à importância da escolha da incisão para que o especialista consiga realizar as alterações estéticas e funcionais almejadas pelo paciente, assim como a influência na cicatriz resultante, explicamos a seguir nove tipos de incisões da rinoplastia. Confira! Incisão columelar A incisão columelar é realizada ao longo da columela (tecido mole que fica entre as narinas) em abordagens externas da rinoplastia. Essa incisão fica localizada, geralmente, entre a narina e a base da columela, sendo que pode ser realizada de diferentes formas de acordo com as indicações do especialista. O formato de V invertido ou em degrau são os mais comuns neste tipo de corte. Incisão de transfixação Esse tipo de incisão é mais recomendado...