Enxaqueca crônica – mitos e verdades

Enxaqueca crônica – mitos e verdades

Muitos portadores de Migranea pesquisam sobre a condição que os afeta e acabam confusos com diversos mitos da enxaqueca crônica que dificultam entender o que realmente é verdade sobre essa condição, como ela pode ser diagnosticada e tratada. Identificamos diferentes verdades e mitos sobre a enxaqueca crônica e preparamos uma lista com as principais informações sobre essa condição. Confira! Mitos da enxaqueca crônica Conheça cinco mitos da enxaqueca crônica e descubra o que é verdade ou não sobre essa doença que atinge milhões de pessoas no mundo. Dor de cabeça crônica pode ser sintoma de tumor ou aneurisma cerebral: MITO Pacientes que têm dor de cabeça crônica há muitos anos e com dor intensa podem ter receio de que ela seja um sintoma de um tumor ou aneurisma cerebral. No entanto, isso não ocorre. Caso o paciente esteja de fato com um aneurisma ou tumor, ainda que os sintomas iniciais possam sugerir enxaquecas, é provável que em poucas semanas surjam outros sintomas neurológicos. Crianças não sofrem com a enxaqueca: MITO Apesar de muitas pessoas acreditarem que a enxaqueca é um problema que afeta apenas adultos, estima-se que entre 4% e 8% das crianças sofram com essa doença. Ela costuma aparecer aos 5 anos, em média, e desaparece espontaneamente na puberdade em 40% dos casos. Enxaqueca crônica não tem tratamento: MITO A enxaqueca possui diversos tipos de tratamento que permitem reduzir a quantidade e intensidade das crises, como medicamentoso, alternativo, com toxina botulínica ou cirurgia para enxaqueca. Apenas um médico especialista pode prescrever o tratamento mais adequado para o paciente. Pode-se tomar analgésicos para cefaléia sem indicação médica: MITO Apesar...
Enxaqueca tem cura? Conheças os tipos de tratamentos

Enxaqueca tem cura? Conheças os tipos de tratamentos

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) a enxaqueca atinge cerca de 324 milhões de pessoas no mundo, sendo que no Brasil, 15% da população é afetada pelo problema, na maioria mulheres. A OMS ainda classificou a condição como a quarta doença crônica mais incapacitante, atrás apenas da tetraplegia, psicose e demência. A questão que fica é: enxaqueca tem cura? Por muito tempo não houve tratamentos definitivos para a enxaqueca, sendo que os medicamentos para controle da dor já instaurada e os profiláticos, para prevenção, eram as melhores alternativas para pacientes diagnosticados com Migrânea. Atualmente, entretanto, existem novas opções de tratamentos que aumentam as chances de uma cura para enxaqueca. Enxaqueca tem cura? Inicialmente, é preciso compreender que alguns dos novos tratamentos, como a cirurgia para enxaqueca e a aplicação de toxina botulínica A são opções de tratamentos mais duradouros, mas dependem bastante do tipo de cefaleia que o paciente possui, considerando local de origem da dor, intensidade e recorrência. Quais os tipos de tratamento para enxaqueca? O primeiro passo para identificar qual o tratamento mais adequado para o caso é procurar um neurologista que faça o diagnóstico correto do tipo de Migrânea de acordo com o relato do paciente e exames que possam ser solicitados. Posteriormente, o médico poderá indicar qual o tratamento mais indicado para o caso, considerando chances de sucesso e riscos associados de acordo com o quadro clínico do paciente. Conheça quatro tipos de tratamento para enxaqueca que podem ser sugeridos pelo médico responsável. Medicamentoso Uma das formas mais recorrentes de tratar a cefaleia é com medicamentos. No caso de crises de enxaqueca...
5 dicas para evitar a enxaqueca

5 dicas para evitar a enxaqueca

A enxaqueca é um tipo de cefaleia que, embora seja comumente confundida com a dor de cabeça comum, é mais severa e pode impactar negativamente ma vida dos pacientes, sobretudo a enxaqueca crônica. Ainda que tenha tratamento, tanto medicamentoso quanto cirúrgico, a enxaqueca não pode ser completamente evitada, sendo importante conhecer os sintomas para distinguí-la de outras formas de cefaléia. A patologia é caracterizada por dor latejante entre 4 a 72 horas seguidas e pode vir acompanhada de náusea, vômito, sensibilidade à luz e a barulhos. Na enxaqueca crônica esses sintomas ocorrem com uma frequência elevada, com dores de cabeça quase que diárias. Devido aos severos sintomas relacionados com a enxaqueca, seguir alguns bons hábitos para evitá-la é a opção de muitos pacientes diagnosticados com a condição. Conheça 5 dicas para ajudar a evitar a enxaqueca. 1 – Mantenha uma alimentação saudável O primeiro passo para evitar crises frequentes de enxaqueca é manter uma alimentação saudável e bem regulada. Muitas horas sem comer é um grande vilão para quem sofre da condição, portanto, uma alimentação adequada pode ajudar. Existem alguns alimentos que são contraindicados como cafeína, refrigerantes, embutidos, chocolate, vinho tinto e queijos amarelos se forem “gatilhos”para a dor. Por sua vez, alimentos como gengibre, pimenta, leite, ovos e ricos em vitamina B podem ajudar. Beber bastante água também é indicado. 2 – Realize atividades físicas As atividades físicas são importantes para todas as pessoas, no caso dos portadores de enxaqueca são ainda mais relevantes. O indicado é optar por atividades físicas mais leves como caminhadas, natação, alongamentos, yoga e pilates. Caso esteja sofrendo de uma crise de enxaqueca,...
Hábitos que podem piorar uma enxaqueca

Hábitos que podem piorar uma enxaqueca

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), a enxaqueca afeta cerca de 30 milhões de brasileiros, sendo 75% mulheres. A enxaqueca caracteriza-se por dores de cabeça intensas, pulsáteis e que pode ter sintomas associados, como tontura, náuseas, vômitos, sensibilidade à luz e ao som entre outros e que, muitas vezes, leva os pacientes a optarem pela cirurgia de enxaqueca. A enxaqueca pode ser desencadeada por diversos fatores, como tensionais, estresse, alimentos, esforços físicos, alterações no sono, e até mesmo pelo uso de medicamentos. As causas da enxaqueca são diversas, mas alguns hábitos ruins podem potencializar as crises de cefaleia, aumentando a frequência ou a intensidade das dores. Identificamos alguns hábitos prejudiciais, principalmente para pessoas com predisposição. Abuso de analgésicos O uso de medicamentos sem prescrição médica com o objetivo de amenizar as crises de enxaqueca muitas vezes pode ter o resultado contrário e desencadear episódios mais frequentes da enfermidade. O uso excessivo dos analgésicos ao menor indício da dor faz com que o organismo torne-se dependente da medicação, fazendo com que o remédio seja sempre necessário para alívio momentâneo das crises. Dessa forma, no longo prazo, as dores tornam-se mais recorrentes. Alimentação inadequada Pacientes que possuem crises de enxaqueca devem atentar-se bastante à qualidade da alimentação como uma forma de evitar que as ocorrências tornem-se mais frequentes. Alguns alimentos devem ser evitados, como: café; chocolate; cítricos; condimentados; bebidas alcoólicas; leite e derivados. Também é indicado não ficar longos períodos sem se alimentar. Tabagismo O tabaco já é conhecido como prejudicial ao organismo, entretanto, devido a promover alterações da circulação do sangue e enrijecimento dos vasos sanguíneos ele...
O que é enxaqueca com aura? Sintomas, causas e tratamentos

O que é enxaqueca com aura? Sintomas, causas e tratamentos

De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 30 milhões de brasileiros sofrem de enxaqueca, também conhecida como Migrânea. Desse total, 64% apresentam enxaqueca sem aura, 18% com aura, 13% variam com e sem aura e outros 5% apresentam aura sem cefaleia. A enxaqueca com aura, portanto, afeta uma parcela representativa da população, entretanto, para que possa ser devidamente diagnosticada e tratada, os sintomas devem ser conhecidos para que as pessoas afetadas possam procurar ajuda médica especializada para a condição. O que é enxaqueca com aura? Diferentemente da enxaqueca tradicional, esse tipo caracteriza-se por apresentar duas fases. A primeira é a fase da aura de enxaqueca e a segunda a da dor de cabeça propriamente dita. A fase de aura surge, normalmente, antes da dor de cabeça. A aura de enxaqueca é marcada por fenômenos sensoriais, sendo o mais comum deles aqueles relacionados com a visão, causando, por exemplo, flashes de luz, visão embaçada com manchas escuras ou imagens brilhantes em ziguezague. Também é possível ocorrerem fenômenos temporários, como formigamento, dormência e perda de força. Os sintomas da aura, sejam visuais ou musculares, podem durar entre 15 e 60 minutos. Conforme a aura passe é comum que tenha início a dor de cabeça, incluindo os outros sintomas recorrentes da enxaqueca. Entretanto outras situações podem ocorrer como a aura de enxaqueca aparecer durante ou após a dor de cabeça. A aura também pode ser dissociada da dor de cabeça, em um tipo de enxaqueca sem cefaléia. Principais sintomas e causas para o problema A aura de enxaqueca, como afirmado, possui sintomas principalmente relacionados às questões visuais, mas outros indícios...
Sintomas da enxaqueca e como tratá-la

Sintomas da enxaqueca e como tratá-la

A enxaqueca é um dos principais tipos de cefaleia, caracterizando-se, principalmente, por uma dor pulsátil de moderada a intensa, em um dos lados da cabeça, acompanhados de náuseas, vômitos, sensibilidade à luz e ao som. As crises podem durar de quatro a 72 horas, sendo muito incapacitantes para quem têm episódios recorrentes da condição. De acordo com o Ministério da Saúde, a enxaqueca afeta de 5 a 25% das mulheres e de 2 a 10% dos homens. O problema aparece com mais frequência em pessoas que possuem entre 20 e 45 anos. Após os 50 anos a tendência é que haja uma redução das crises, principalmente entre as mulheres, por questões hormonais. Conhecer os sintomas da enxaqueca é essencial para um diagnóstico correto e tratamento adequado que pode incluir desde a prescrição de medicamentos até a cirurgia para enxaqueca, que é um tratamento mais definitivo. Quais os sintomas da enxaqueca? O sintoma mais conhecido da enxaqueca é a dor de cabeça, no entanto, é relevante saber que este não é o único indício do problema. A dor de cabeça relacionada com a enxaqueca pode ter focos em diferentes locais da face e do couro cabeludo, também é frequente que apenas um dos lados da cabeça doa em cada crise. Entre as regiões da cabeça que podem ser foco da dor estão: região frontal (testa); olhos e em torno deles (periorbital); sobrancelhas (área superciliar), mas também abaixo ou acima delas; têmporas; lateralmente na cabeça (região parietal); seios da face e rosto como um todo; região occipital (nuca) lateral; região occipital central. A dor pode localizar-se em uma dessas regiões, em...