Tel: (11) 5093-3921 / (11) 96445-1045
Facebook do Dr. Paolo Linkedin do Dr. Paolo Instagram do Dr. Paolo Twitter do Dr. Paolo Canal do Youtube do Dr. Paolo
Diferenças entre rinoplastia primária e rinoplastia secundária

Diferenças entre rinoplastia primária e rinoplastia secundária

A cirurgia plástica do nariz está entre os procedimentos estéticos mais realizados no Brasil, entretanto, muitos pacientes interessados em realizá-la ficam com dúvidas quando se deparam com termos como rinoplastia primária e rinoplastia secundária.

Compreender quais são as diferenças entre os procedimentos é essencial para que o paciente possa tomar uma decisão consciente sobre a intervenção. Primeiramente, vamos aos conceitos. A rinoplastia primária consiste na cirurgia do nariz quando é realizada pela primeira vez pelo paciente, enquanto chama-se de secundária quando a técnica já foi feita anteriormente.

Quando optar pela rinoplastia primária?

A rinoplastia primária, por tratar-se da primeira cirurgia feita no nariz, seja com objetivos estéticos ou funcionais, pode ser realizada em qualquer paciente a partir dos 15 anos. Nessa idade a estrutura nasal está completamente desenvolvida e aqueles que estão insatisfeitos com a aparência do nariz podem submeter-se à técnica.

A rinoplastia também é indicada para pessoas com problemas funcionais nasais, como desvio de septo e hipertrofia dos cornetos que dificultam a respiração. Assim, o procedimento pode atender diferentes demandas por parte do paciente, promovendo alterações no tamanho do nariz, afinando as asas nasais, melhorando a projeção da ponta, entre outras alterações.

O procedimento pode ser realizado utilizando duas técnicas diferentes, a aberta, também chamada de exorrinoplastia, ou a fechada, conhecida como endorrinoplastia. A diferença está na localização das incisões feitas, de forma que impacta na aparência das cicatrizes.

Por tratar-se da primeira cirurgia, o cirurgião plástico tem disponível mais cartilagem, facilitando e melhorando a moldagem do nariz, além de não haver tecido cicatricial e fibrose de cirurgias prévias.

Como é realizada a rinoplastia secundária?

Diferentemente da rinoplastia primária, a secundária caracteriza-se por uma limitação da cartilagem disponível. O nível de dificuldade da segunda cirurgia é superior, pois o profissional precisa trabalhar com mais tecido fibroso e cicatricial resultantes do primeiro procedimento. Além de que revestimentos como pele e mucosa já sofreram alterações, sendo mais complexo manter uma estrutura forte para o nariz.

Pode acontecer de que em cirurgias secundárias o especialista precise de enxertos sintéticos ou extraídos de outras partes do corpo da paciente, como da orelha ou da costela para casos nos quais a estrutura nasal ficou debilitada e precisa de reforço. A rinoplastia secundária pode ser feita nas seguintes situações:

  • primeira rinoplastia mal sucedida: situações nas quais a primeira cirurgia não foi realizada corretamente, causando resultados estéticos indesejados, como assimetria, tortuosidade e outros; ou problemas funcionais, como válvulas nasais insuficientes;
  • insatisfação do paciente: casos nos quais não ocorrem erros de execução da técnica, mas o resultado final obtido não foi do agrado do paciente. Pode ocorrer quando, por exemplo, as expectativas e realidade do procedimento não foram corretamente alinhadas.

Devido à maior complexidade da rinoplastia secundária, é essencial procurar por um cirurgião plástico especializado em cirurgias do nariz. O intervalo entre os procedimentos costuma ser de, no mínimo, 6 meses. Isso porque o tempo de cicatrização da rinoplastia é elevado e é necessário que haja uma cicatrização completa da primeira cirurgia para que o paciente submeta-se novamente à técnica.

Para garantir um melhor resultado, o paciente deve ser honesto com o cirurgião plástico sobre as insatisfações relacionadas com a rinoplastia primária de forma que a secundária possa atender as expectativas dele.

Mitos e verdades sobre a cirurgia de rinoplastia

Mitos e verdades sobre a cirurgia de rinoplastia

A rinoplastia é um dos procedimentos estéticos mais realizados no Brasil. Em 2015 foram realizadas 1,5 milhão de cirurgias plásticas no país, sendo que a cirurgia do nariz ocupou a quarta posição como mais procurada, ficando atrás apenas da mamoplastia, lipoaspiração e blefaroplastia.

A procura pela rinoplastia apresentou um crescimento de 10%, indicando que a técnica é ainda uma das preferidas dos brasileiros. Entretanto, ainda existe muita especulação relacionada com essa cirurgia plástica.

Compreender o que é mito e o que é verdade no que o senso comum diz sobre a rinoplastia é um passo importante para quem está interessado em submeter-se ao procedimento. Confira!

MITO – a rinoplastia é muito dolorosa

Um dos mitos mais difundidos sobre a rinoplastia é que a cirurgia plástica do nariz é extremamente dolorosa, o que não é verdade. Ainda que haja incômodos e dores relacionadas com a realização do procedimento, eles são muito leves, e muitos pacientes nem fazem uso de analgésicos.

MITO – é possível obter o formato de nariz que quiser

Ainda que a rinoplastia tenha indicações variadas por ser capaz de corrigir diversas imperfeições do nariz, não é verdade que é possível obter o formato de nariz que quiser, principalmente em casos de pacientes que procuram pela cirurgia com o intuito de ficar com o nariz semelhante ao de outra pessoa.

O objetivo da cirurgia plástica é alcançar mais harmonia facial, portanto a avaliação é individual, sendo o cirurgião plástico o mais qualificado para indicar um formato e tamanho de nariz mais harmonioso. O objetivo é obter o melhor nariz para cada pessoa, considerando suas características individuais.

VERDADE – a cirurgia plástica de nariz pode causar problemas respiratórios

Apesar dos riscos serem reduzidos, a rinoplastia é uma cirurgia complexa e exige a formação adequada para ser conduzida. Quando realizada com um profissional não qualificado para este tipo de procedimento, existem riscos reais de prejudicar a capacidade respiratória do paciente, como com o colabamento da válvula nasal externa e interna.

Quando realizada por um profissional especializado e equipe preparada, esses riscos são quase inexistentes.

VERDADE – a rinoplastia pode corrigir disfunções respiratórias

Assim como é capaz de afetar a respiração negativamente, quando não executada corretamente, a rinoplastia é um procedimento que pode ser usado com o objetivo de corrigir disfunções respiratórias, como o desvio de septo e a hipertrofia das conchas nasais.

MITO – a recuperação da rinoplastia é muito difícil

Outro mito relacionado com a rinoplastia é que a recuperação e pós-operatório são muito difíceis. A cirurgia, como outras, exige um tempo de repouso com uso de medicamentos e também cuidados com a exposição da região operada, como ao sol e à friagem.

Entretanto, a recuperação costuma ser bastante tranquila quando as indicações médicas são seguidas corretamente.

MITO – é possível ver o resultado da cirurgia no primeiro mês

No primeiro mês após a rinoplastia é possível identificar algumas diferenças, entretanto, o resultado final só aparece entre seis a doze meses que é o período necessário para cicatrização.

A cirurgia plástica do nariz costuma deixar hematomas e inchaços por um tempo, o que dificulta que o resultado seja visto tão rapidamente.

VERDADE – a plástica de nariz pode ser feita mais de uma vez

Como demora alguns meses até a recuperação e cicatrização da cirurgia, pode acontecer de depois desse período o paciente não alcançar os resultados que esperava com a cirurgia plástica. Nesses casos é possível realizar uma segunda ou terceira rinoplastia visando melhorar os resultados obtidos.

É importante ressaltar que a rinoplastia secundária, como é chamada, apresenta mais complexidade de execução devido a já apresentar alterações e manipulações prévias.

MITO – pode-se identificar quem fez cirurgia do nariz rapidamente

Um medo recorrente de quem deseja fazer a cirurgia plástica do nariz é que ela fique muito evidente, sendo facilmente reconhecida em diferentes ambientes. No entanto, não é possível identificar assim quem já realizou alguma alteração estética no nariz, quando feita com as técnicas corretas.

A cicatriz costuma ser bastante discreta, assim como o objetivo da rinoplastia é proporcionar um resultado mais natural e harmonioso com a face do paciente, sendo difícil de identificar quem já se submeteu ao procedimento.

5 dicas para evitar a enxaqueca

5 dicas para evitar a enxaqueca

A enxaqueca é um tipo de cefaleia que, embora seja comumente confundida com a dor de cabeça comum, é mais severa e pode impactar negativamente ma vida dos pacientes, sobretudo a enxaqueca crônica.

Ainda que tenha tratamento, tanto medicamentoso quanto cirúrgico, a enxaqueca não pode ser completamente evitada, sendo importante conhecer os sintomas para distinguí-la de outras formas de cefaléia.

A patologia é caracterizada por dor latejante entre 4 a 72 horas seguidas e pode vir acompanhada de náusea, vômito, sensibilidade à luz e a barulhos. Na enxaqueca crônica esses sintomas ocorrem com uma frequência elevada, com dores de cabeça quase que diárias.

Devido aos severos sintomas relacionados com a enxaqueca, seguir alguns bons hábitos para evitá-la é a opção de muitos pacientes diagnosticados com a condição. Conheça 5 dicas para ajudar a evitar a enxaqueca.

1 – Mantenha uma alimentação saudável

O primeiro passo para evitar crises frequentes de enxaqueca é manter uma alimentação saudável e bem regulada. Muitas horas sem comer é um grande vilão para quem sofre da condição, portanto, uma alimentação adequada pode ajudar.

Existem alguns alimentos que são contraindicados como cafeína, refrigerantes, embutidos, chocolate, vinho tinto e queijos amarelos se forem “gatilhos”para a dor. Por sua vez, alimentos como gengibre, pimenta, leite, ovos e ricos em vitamina B podem ajudar. Beber bastante água também é indicado.

2 – Realize atividades físicas

As atividades físicas são importantes para todas as pessoas, no caso dos portadores de enxaqueca são ainda mais relevantes. O indicado é optar por atividades físicas mais leves como caminhadas, natação, alongamentos, yoga e pilates.

Caso esteja sofrendo de uma crise de enxaqueca, não se deve realizar as atividades físicas, pois elas podem intensificar as dores.

3 – Tenha boas noites de sono

Dormir pouco pode ser um grande inimigo e desencadear crises de enxaqueca, mas isso também é válido para quem dorme muitas horas. O mais correto é estabelecer uma rotina de sono entre 6 e 8 horas por dia.

Nos finais de semana quando for possível dormir um pouco mais, é importante não abusar para não desencadear uma crise. O tempo de sono necessário deve respeitar as condições físicas, mentais e psicológicas do paciente, sendo que o acompanhamento com um neurologista pode ser necessário.

4 – Não se automedique para amenizar a enxaqueca

É muito comum que ao identificar uma dor de cabeça a pessoa se automedique com analgésicos que aliviem momentaneamente a condição. Entretanto, a ingestão recorrente de analgésicos e outros medicamentos sem a prescrição médica pode diminuir o efeito dos remédios e tornar a dor mais recorrente.

Caso identifique os sintomas é essencial buscar por um neurologista que possa prescrever os medicamentos corretos para o tratamento da enxaqueca de forma que a condição clínica do paciente não se agrave.

5 – Reduza o estresse do dia a dia

O controle emocional é um aspecto importante na redução das crises de enxaqueca. Tanto o estresse, como ansiedade, tristeza, medo, preocupação e irritação frequentes também podem desencadear episódios de cefaleia.

Indica-se que além de tentar manter um ritmo de vida mais saudável e menos estressante, a pessoa diagnosticada com enxaqueca exerça algumas práticas diárias para reduzir o estresse, como exercícios respiratórios, meditação e relaxamento.

O controle da cefaleia é muito importante para elevar a qualidade de vida do paciente e hábitos saudáveis podem ajudar no controle das crises de enxaqueca. Uma opção mais permanente é a cirurgia de enxaqueca, sendo indispensável a avaliação médica para identificar se essa alternativa é indicada para o caso.

O que é desvio septo caudal?

O que é desvio septo caudal?

Apesar de pouco conhecido, o desvio septo caudal é uma ocorrência clínica que pode causar obstruções graves na capacidade respiratória do paciente, além de impactar na estética do nariz, sendo por essa razão passível de cirurgia funcional e estética. read more…

Como escolher um cirurgião para a rinoplastia?

Como escolher um cirurgião para a rinoplastia?

A rinoplastia é um procedimento estético complexo e deve ser realizada por um cirurgião plástico com experiência na realização da técnica para garantir um resultado mais satisfatório para o paciente. Ao interessar-se pela realização dessa intervenção estética, muitos pacientes se questionam sobre como escolher um especialista. read more…